06
abr
Alternative Press e Yahoo Music fazem crítica ao novo album

Herald Sun

O site da Alternative Press e a Yahoo Music analisaram o novo album do Paramore, e em suas críticas abordam as músicas e a versatilidade musical. Confira a tradução:

Alternative Press

Não é um grande segredo o que Paramore passou nos últimos anos: os irmãos Farro, guitarrista Josh e baterista Zac, deixaram a banda em 2010, levando com eles a principal fonte de escrita de músicas do Paramore. Um período intenso criativo de reconstrução seguiu, eventualmente resultando em o que você ouve do Paramore, o quarto álbum da banda, 17 músicas, um monstro de 64 minutos que é sem dúvida a melhor música que esses três artistas. -vocalista Hayley Williams, guitarrista Taylor York, e baixista Jeremy Davis, já fizeram.

O álbum começa com “Fast In My Fast”, um número de eletro-rock dos anos 90 com uma clima de guitarra- um sentimento que surge repetidamente no Paramore. (“Proof é semelhante, assim como “Be Alone” e “Future”). Williams não gasta seu tempo soletrando o quão difícil os últimos anos tem sido para ela e seus companheiros da banda, cantando, “Been through the ringer a couple times/I came out callous and cruel/And my two friends know this is very well/Because they wen through it, too.” (e essa é apenas o começo). Sua confiança continua através do primeiro single “Now”, quando ela repetidamente grita “If there’s a future we want it now.” A tensão da banda de forma tão proeminente exibidas nas letras do disco de 2009 Brand New Eyes desapareceram, substituídas com uma frente unificada de WIlliams, York e Davis, dispostos a tentar de tudo.

Produtor, Justin Meldal-Johnsen (M83, Neon Trees) verdadeiramente trouxe o melhor dos três, empenhando-os a criar ambos os sons clássicos do Paramore e tentar coisas inteiramente novas. Leva a monumentalmente cativante “Still Into You”, uma das melhores do álbum: não há dúvidas de que ainda é o Paramore, é apenas melhor. O coro vai grudar no seu cérebro por dias, e o jeito que Williams canta (And baby even on our worst nights/ i’m into you”) é cativante, e quando você vê a banda acolhendo a descoberta dos eletrônicos, você se depara com o que idealmente é um dos maiores hits de 2013.A influencia  de Justin no Paramore é sem dúvida muito boa, permitindo que o trio explore novos sons e estilos.

Sério, é nesses momentos de diversidade que realmente fazem o Paramore brilhar. “Ain’t It Fun” é uma explosão do swing de New Jack que vem com um estilo muito maneiro que você jamais ouviu em algum álbum do Paramore, repleto com um coro gospel que nos ajuda a puxar um dos mais poderosos vocais de Williams. “(One Of Those) Crazy Girls” é um pop-rock dos anos 60 que podia ter aparecido em That Thing You Do! Até você ouvir letras atrevidas da Williams que ela meio que atiça uma ex-chama. É feliz e divertido, e mostra um lado de sua personalidade que ela mostra frequentemente nas letras. “Hate To See Your Heart Break” é tipo de um rock melancólico de balada que poderia facilmente virar o “Landslide” dessa geração – é potente e bem escrita. (Os maravilhosos arranjos não machucam). É legitimamente o tipo de música que sua mãe gostaria, e isso deve ser levado como um elogio: Nunca antes o Paramore criticou uma música com potencial como esse alcance, e ao mesmo tempo eles estão explorando suas próprias fronteiras artisticamente (que não parecem ser muitas). Uma música assim não diz apenas onde Paramore está agora, mas onde eles podem ir no futuro.

E falando de “Futuro”, pode começar como uma suave acústica parecida com “My Sundown” de Jimmy Eat World, mas a fluída transição que a música faz na explosão sonora que começa em 3:30 nos leva à arrepios. A letra de Williams são escassas (I’m writing the future… We don’t talk about the past”), e elas se tornam inexistentes uma vez que ela deixa a música para York e Davis, que dão um show em 4:00, destruindo com os rumos da guitarra, e até mesmo um falso final. É o tipo de música que vai abalar o chão de qualquer lugar que a banda for tocar nos anos que virão, e que provavelmente levará mais ressonância emocional como Williams trará ao palco com seus companheiros de banda. Essa música fala muito sobre quem o Paramore é- um trio de alta motivação, incrivelmente criativos e sem medos individuais que lutaram e conquistaram seu caminho através de quantidades infinitas de discussões, brigas e dramas, para se tornarem adultos- o que eles estão se tornando: uma das melhores bandas de rock da América.

Yahoo Music

18 de dezembro de 2010 marcou o dia em que a comunidade moderna de rock alternativo foi sacudida. Os integrantes do Paramore Josh Farro e Zac Farro haviam anunciado que estavam deixando a banda. Como resultado, os dois membros restantes Hayley Williams e Jeremy Davis fizeram de Taylor York o guitarrista líder e percussionista, e anunciaram que novas músicas seriam lançadas no começo do próximo ano.  Finalmente, o produto final da introdução de Taylor ao Paramore, produzido por Justin Meldal-Johnsen, seria lançado em 9 de abril de 2013, para a animação da comunidade de rock alternativo. A questão é, o álbum auto intitulado chegaria aos pés dos esforços anteriores do Paramore, Brand New Eyes, RIOT! e All We Know Is Falling?

A resposta, resumidamente, é sim. Em maiores detalhes, o álbum auto intitulado do Paramore traz à mesa a fusão de uma dose saudável do pop punk emocional e moderno misturado com uma ótima dose às bem conhecidas bandas de rock alternativo das últimas gerações, junto com algo totalmente novo ao mesmo tempo. A impecável vocalista Hayley Williams claramente adotou um pouco da malícia de outros ícones femininos do rock como Joan Jett e até Gwen Stefani durante a sua explosão com o No Dout.  Isto é especialmente óbvio quando ela traz um lado brincalhão de seu vocal que não foi bem aproveitado até este álbum, com músicas como o track de abertura “Fast In My Car”, e em suas proclamações desafiadores em músicas como o primeiro single “Now”.

Enquanto Davis fornece outra entrada sólida em seu catálogo de baixo, é muito claro que a maioria da atenção instrumental é colocada em York devido à sua total estréia com a banda. O seu jeito extrovertido, se não ocasionalmente cheio de si (em um jeito bom)  de guitarra, ritmo direto, percursão estável e a incorporação de faixas de teclado ocasionais prova ser o encaixe perfeito para a banda. Tudo isso consegue mostrar um pouco do “velho” em meio à todo esse “novo” – o suficiente para manter os fãs das antigas satisfeitos enquanto trazem potencialmente centenas, se não milhões á mais à sua cena musical.

O estilo de letras de significado profundo como “My Heart” e “The Only Exception” ainda estão presentes em músicas como “Grow Up”, acompanhado de um ritmo cativante que usa muito bem a voz doce de Williams, que também usa bastante daquele sintetizador que eu mencionei antes durante uma ponte instrumental: estilo anos 80, que por alguma razão, funciona muito bem, assim como a tenra, emocional, e parcialmente conduzida “Daydreaming”. Muitos outros tracks maravilhosos incluem o refrescante lo-fi “Last Hope” e “Hate to see your heart break”. Por último, por outro lado, é igualmente tão doce quanto o antigo, com um uma óbvia influência de Jason Mraz ou Ingrid Michaelson: até mesmo em linha reta com um toque confortável de xilofone. Estas duas músicas trazem o que possivelmente é o mais sincero set de vocal de Williams, com um pouco de ColdPlay – tipo a guitarra vindo de York entre o leve violoncelo.

Tem até uma clara influência de Motown e The Beatles em One Of Those Crazy Girls, que a banda executa perfeitamente, em fusão com  um vocal tipo Patrick Stump que vai muito bem com a música. Outras faixas notáveis incluem “Parte II”, que age ironicamente como uma seqüência direta do hit popular “Let The Flames Begin”, do RIOT!, incorporando um incrível, sutil vocal e guitarra hard-rock entre uma sinfonia de intrincadas obras instrumentais que se juntam para formar uma canção brilhantemente trabalhada, e a influência parcial de Michael Jackson e Paula Abdul em “Ain ‘t It Fun”, que até incorpora um coral em um certo ponto, assim como o comercialmente atraente embora inteiramente doce segundo single,”Still Into You”, que remete totalmente ao som tradicional do Paramore, e o sarcástico, divertido, e no estilo do All Time Low como”Anklebiters”.

Entre todos os instrumentais delirantes, variados e vocais poderosos, também estão três faixas de ukulele, acústicos baseados na forma de interlúdios simples, doces, e lânguidos. Evidentemente, tais interlúdios trazem a lufada de ar fresco para o álbum, mesmo que apenas coletivamente duram apenas cerca de 3 minutos. Eles oferecem uma boa pausa entre as faixas poderosas que compõem o álbum principal, e trazem ainda mais significado para o trabalho como um todo.

A banda realmente fez um bom trabalho ao dar valor a todos os seus tracks. De 17 músicas, nenhum deles é de se jogar fora, o que não pode ser facilmente dito para muitos álbuns lá fora. Do espírito livre “Fast In My Car” para o sinistro e desconhecido “Futuro”, a banda criou um álbum de alta classe. É muito claro que este álbum foi escrito com grande respeito ao passado instável Paramore, como pontos são feitos de que a banda, com seu multi-talentoso instrumentista, já passarem pelo pior juntos e criaram algo que é verdadeiramente melhor do que era antes.

Nota: 5/5

Coesivamente e magistralmente fusindo juntos um bando de influências em um único álbum, o álbum auto-intitulado é facilmente o melhor trabalho do Paramore.

Top Cinco Músicas:
1. “(One of Those) Crazy Girls”
2. “Part II”
3. “Ain’t It Fun”
4. “Still Into You”
5. “Hate to See Your Heart Break”

Via: ParamoreAndMore