25
mar
Hayley atualiza o Livejournal da Banda com algumas novidades

Hayley

Hayley Williams atualizou o LiveJournal da banda com um texto falando sobre o início do processo de gravação do álbum e sobre a composição da música “Daydreaming“, confira:

Perspectiva

Essa vai ser a última letra postada antes do lançamento do álbum! Muita coisa empolgante vai acontecer essa semana então que eu prometo que o tempo vai passar voando! Obrigada por virem aqui para ler a menor das prévias de algumas das músicas do nosso álbum. Os rapazes e eu estamos quase explodindo de orgulho por esse álbum. Graças a Deus.

É difícil acreditar que há quase um ano, exatamente, nos mudamos para Los Angeles para terminar de escrever/começar a gravar nosso álbum auto-intitulado. Os poucos meses que antecederam a isso foram um período estranho para a gente, pessoalmente. Eu estava lutando com o presente e constantemente tentando descobrir o que estava por vir. É engraçado como a vida acontece, porque você começa a voltar no tempo para uma época que foi muito difícil e você percebe que foi um dos momentos mais bonitos em toda a sua vida. Os últimos dois anos foram estranhos e difíceis e eu aprendi muito… mas foram de longe um dos momentos mais incríveis e pacíficos da minha vida. Quando eu falava sobre isso com as pessoas, eu me referia à última primavera/verão como um “momento áureo” que trouxe muito crescimento e cura. O engraçado é que eu não reconheci o quão perfeito aquilo era enquanto eu o estava vivendo. Todos nós precisamos de um pouco de perspectiva às vezes. Para se reafirmar e realmente saber no que você estava se metendo.

Nesse último janeiro, eu acordei de manhã, sentei na cama e cantei o coro de uma música que, por razões óbvias, nós chamamos de “Daydreaming” (Sonhando Acordado). Eu nunca fui esse tipo de compositora. Existem bilhões de episódios do Behind The Music em que o artista fala sobre compor música durante o sono… acordando e anotando tudo num papel antes de voltar a dormir… ou algum deles simplesmente levantam e vão trabalhar até terminá-la. Essa nunca fui eu, embora eu sempre tenha desejado isso. Nesse momento em particular, entretanto, eu acordei e de algum lugar no fundo da minha cabeça ou coração ou de onde quer que as músicas venham… ela simplesmente veio vomitada. Mais tarde naquele dia eu fui até a casa do Taylor e mostrei a ele. Mais tarde, a música simplesmente se terminou por conta própria.

De volta aos meses antes de nos mudarmos para a Califórnia, eu estava tendo um dos piores momentos, apenas fazendo as coisas do cotidiano. Não queria ver ninguém que eu conhecia em Nashville. Me senti solitária e triste e um pouco machucada. Por qualquer que fosse a razão, eu senti como se houvesse algo me aguardando lá fora mas eu não estava no clima. Não queria mais sucesso, ou qualquer tipo de ganho mundano… mas eu senti que meu coração deveria estar mais feliz. Estava constantemente sonhando uma vida mais transparente. Tentando descobrir o que fazer para alcançá-la. Quando nos mudamos para Los Angeles, até mesmo o ato físico de me afastar de tudo aquilo não estava surtindo efeito. Naquele momento, me senti completamente perdida. Se mesmo estando tão longe dos meus problemas eu ainda me sentia solitária e pra baixo… então onde eu poderia ir pra me sentir menos solitária? Levou algumas semanas. Me custou levantar toda semana e decidir que eu estava justamente onde deveria. Me custou cantar “Daydreaming” bem alto em frente ao microfone do estúdio para tornar tudo realidade. Agora eu olho pra trás pra essa temporada da minha vida com bastante nostalgia. Dores do crescimento algumas vezes doem como um infarto. Nos momentos em que você sente a mudança acontecendo e você sente seu coração, mente e corpo resistindo a isso com toda a sua força, tente não resistir por um momento. Siga o fluxo! É como a citação de Anias Nin que eu amo… “E chegou o dia em que o risco de permanecer apertada no botão era mais doloroso que o risco necessário para florir.” Não perca uma oportunidade de seguir em frente. Sonhe acordado um pouco. Não tenha medo de abraçar o caminho que machuca, para que você cresça. Você vai poder olhar para trás e seu coração vai te agradecer por não permanecer parado quando o que você precisava era ter seguido em frente.

Via: ParamoreBR