11
abr
NME: Review do álbum “Paramore”

Paramore

David Renshaw fez uma review do novo álbum da banda para a revista NME. Leia:

“Alguns de nós tem que crescer de vez em quando/Então, se for preciso, eu vou te deixar para trás”, é o que canta Hayley Williams em “Grow Up”. O verso é provavelmente direcionado a Josh e Zac Farro, antigos companheiros de banda que deixaram o grupo em termos não muito amigáveis em 2010, mas isso também significa uma mudança na sonoridade do Paramore. Por muito tempo sinônima de adolescentes emo e revoltados, a banda do Tennessee decidiu com seu 4º e auto-intitulado álbum que deveria seguir em uma direção mais promissora e pop. Os irmãos Farro afirmaram que o Paramore era nada mais do que um veículo de auto-promoção para a vocalista Hayley Williams, e músicas como “Fast In My Car” e “Still Into You”, que são todas sobre a líder de cabelos de cores vivas, fazem pouco para desacreditá-los. As coisas ganham um ar de Sister Act 2 em “Ain’t It Fun”, que apresenta um coral gospel, e, por algum motivo, “Moving On” introduz um ukulele nesse processo. Mas o Paramore sempre foi mais pop do que seus fãs gostam de admitir, e essa previsível ressurreição aparenta ser um passo de transição para algo gigantesco.

Avaliação: 7 de 10
Escrita por: David Renshaw

Via: ParamoreBR