20
jul
Paramore: Como se fosse à primeira vez

paramore no mexico

O Portal Humo Negro do Chile publicou uma release sobre o show do Paramore. Sobre os músicos no palco, cada música sendo ‘vivida’ pelos fãs e as surpresas que os mesmos fizeram ao decorrer do show.

Com os fãs esperando atrás das grades logo cedo na Movistar Arena e pedindo para acabar com quaisquer surpresas no setlist, Paramore completou a tríplice coroa na Espanha. Liderados pela galopante Hayley Williams, os norte-americanos foi uma máquina de hits e recomeço. Mostrou que eles estão no auge de sua carreira e que a partida dos irmãos Farro é passado. A banda que exibiu no Chile sua revolução e reinvenção, como se a apresentação desses jovens teria sido a primeira vez.

Passado nove horas, apareceu a vocalista e Taylor York, junto com os primeiros acordes de “Interlude: Moving On”, mas o ensurdecedor grito começou e não terminou minutos atrás explorado até Misery “Business”, talvez o primeiro super o sucesso mundial do grupo, onde os fãs cantaram descontroladamente. O show continuou a aumentar em intensidade, com Hayley, Taylor e Jeremy deixou tudo no palco. E a ordem das músicas permitido porque “For A Pessimist, I’m Pretty Optimistic” foi uma rajada de balas direto para a cabeça dos participantes, para que as barracas de lona podia distinguir “Still Into Paramore” ou “Team York.”

Pelo menos, e felizmente para aqueles que estavam na linha de frente do palco, “Decode” criou uma atmosfera mais profunda do que apaixonado, e também serviu para marcar as estações de um programa que, sem essas pausas, musicalmente teriam maior matriz para estar sempre no topo. Mas ainda falta a outra parte da festa, que tem os fãs possuindo a banda. Porque com o “Now”, um dos singles de seu álbum mais recente, e York como percussionista, com uma chuva de confete cinza picado, como se a imitar, em parte, a névoa causada por explosões lançados em vídeo colorido. E não seria único.

Williams não parou. A colorida dança, corria, gesticulava em excesso, gerencia o público à vontade. Exibe sua boa voz para cantar a capela como o início de “Renegade”, brinca com o cabelo, e não parar de se mover. Com um arremesso anterior, que perguntou sobre o álbum “Paramore” (2013), Hayley cantou “Ain’t It Fun”, uma das melhores músicas de seu catálogo e, por sua vez, um dos destaques do show. Com uma bateria que libera tudo o que cadência sensual dos vocais, os americanos conseguem combinar pop com sons africanos, graças ao slap bass de Davis e coro quase-gospel que aplicou-se a cada um dos participantes. 

E se faltava emoção, “The Only Exception” já estava atingindo no meio do coração. A líder mostrou seu lado mais suave, enquanto seus fãs cantavam para alguém – ou talvez não – mas talvez não como eles quisessem que existisse. “Let The Flames Begin”, foi outro ponto alto do dia, lembrando-se do tempo de ” Riot!” (2007) com uma versão potente que se estendeu por mais de cinco minutos e tirou toda a distração em seus dois primeiros álbuns. A alma do trio permanece dispersa no palco, mas logo retorna do abismo da exaustão: “Fast In My Car” e “Ignorance” é interpretado como se tivessem sido no início do set.

PARAMORE CHILE 2013 01

Foi a vez do Paramore consolidar, começou um joguinho com o público, e “Looking Up”, ficou encarregado para reforçar este diálogo. Williams disse em voz alta “¡Uno, dos, tres!” E o público, dependendo do setor, deu um grito. Mas a grande surpresa viria em “Anklebiters”, o ultimo single do álbum autointitulado, por até um punhado de fãs cantando junto com ela. Até posou para fotos. E, encerrando o assunto, ela disse que cada um deve ter orgulho da pessoa que é, para continuar com “That’s What You Ge”. O primeiro término do show viria com “Still Into You”, onde os fãs jogaram centenas de balões brancos e celestes. E apenas os três principais músicos – com os músicos de apoio – deixaram o palco, eles foram alterados por muitas folhas brancas com as palavras “Paramore Never Ends”. A exaustão já estava se tornando insustentável.

“Proof” e “Brick By Boring Brick”, além do confete vermelho e amarelo jogado sob pressão, será lembrado como o fim de um show que vai além da música. O Paramore ou Hayley Williams tem especificamente a ver com as grandes ligas e shows em estádios. Não é o papel picado, não os jogos, e não a selvageria e os gráficos nas telas, é o pacote completo, que confirma por que o fanatismo é incondicional. A entender dessa forma ou não, que é onde se cria ídolos e heroínas do pop.

Matéria original.