24
maio
Review sincera do álbum “Paramore” em site americano.

5

O site americano “Radium Rollercoaster” postou uma review interessante no quarto álbum do Paramore.

Dois singles e sem dúvida muito trabalho depois, Paramore apresenta com orgulho Paramore, seu álbum auto-intitulado. O título pode aparentar auto-absorvido, mas representa a linda transformação de maturidade pela qual a banda tem passado, e expressa o seu novo som e nova direção.

Isso ainda é Paramore. É inegável que a mudança é aparente nessas músicas, mas elas são feitas com amor e inspiração, algo que creio que todos os fãs podem apreciar. Não importa se sua música preferida é Misery Business, Emergency, ou The Only Exception: você vai amar Paramore.

O álbum é liricamente importante para Hayley, Jeremy e Taylor, e é percebível que de alguma forma cada música vem diretamente do coração de pelo menos um deles. “Fast In My Car” for definitivamente um grito aos irmãos Farro, com os versos “Nos três éramos iniciantes/Tivemos que aprender a lidar/E quando vimos uma segunda chance/Tivemos que aprender a roubar”. Minha segunda favorita do álbum, “Daydreaming”, tem um significado muito poderoso e a maioria dos adolescentes podem se identificar com o verso, “Não é que não vou me lembrar de onde sou, só não quero estar mais aqui.”

Teve uma diferença grande de estilos não somente para os álbums anteriores, mas entre as músicas do álbum em si. “Part II” não se destaca muito, assim como “Hate To See Your Heart Break”, ou “Future”, mas são músicas que você tem que realmente ouvir para apreciar. Vou destacar que o “quase tango” “(One Of Those) Crazy Girls” só é diferente porque a letra te pega como “One Way (Or Another)” do Blondie. Contrariamente, há algumas músicas que são totalmente agitadas e perfeitas para dançar. “Anklebiters” tem um começo muito punk rock e seria perfeita para uma plateia pulando, e “Proof” tem a pegada que me lembra de  “Feeling Sorry”, assim como “Be Alone”. A minha favorita (pessoalmente) é a música de amor agitada, “Still Into You” que tinha algo de Aerosmith com estilo e uma brigde impressionante que é o auge dos vocais de Hayley no álbum, em minha opinião.

 
Para ver o review completo, clique aqui.

Traduzido e adaptado por Mavi.
Fonte.