24
maio
Review sincera do álbum “Paramore” em site americano.

5

O site americano “Radium Rollercoaster” postou uma review interessante no quarto álbum do Paramore.

Dois singles e sem dúvida muito trabalho depois, Paramore apresenta com orgulho Paramore, seu álbum auto-intitulado. O título pode aparentar auto-absorvido, mas representa a linda transformação de maturidade pela qual a banda tem passado, e expressa o seu novo som e nova direção.

Isso ainda é Paramore. É inegável que a mudança é aparente nessas músicas, mas elas são feitas com amor e inspiração, algo que creio que todos os fãs podem apreciar. Não importa se sua música preferida é Misery Business, Emergency, ou The Only Exception: você vai amar Paramore.

O álbum é liricamente importante para Hayley, Jeremy e Taylor, e é percebível que de alguma forma cada música vem diretamente do coração de pelo menos um deles. “Fast In My Car” for definitivamente um grito aos irmãos Farro, com os versos “Nos três éramos iniciantes/Tivemos que aprender a lidar/E quando vimos uma segunda chance/Tivemos que aprender a roubar”. Minha segunda favorita do álbum, “Daydreaming”, tem um significado muito poderoso e a maioria dos adolescentes podem se identificar com o verso, “Não é que não vou me lembrar de onde sou, só não quero estar mais aqui.”

Teve uma diferença grande de estilos não somente para os álbums anteriores, mas entre as músicas do álbum em si. “Part II” não se destaca muito, assim como “Hate To See Your Heart Break”, ou “Future”, mas são músicas que você tem que realmente ouvir para apreciar. Vou destacar que o “quase tango” “(One Of Those) Crazy Girls” só é diferente porque a letra te pega como “One Way (Or Another)” do Blondie. Contrariamente, há algumas músicas que são totalmente agitadas e perfeitas para dançar. “Anklebiters” tem um começo muito punk rock e seria perfeita para uma plateia pulando, e “Proof” tem a pegada que me lembra de  “Feeling Sorry”, assim como “Be Alone”. A minha favorita (pessoalmente) é a música de amor agitada, “Still Into You” que tinha algo de Aerosmith com estilo e uma brigde impressionante que é o auge dos vocais de Hayley no álbum, em minha opinião.

 
Para ver o review completo, clique aqui.

Traduzido e adaptado por Mavi.
Fonte.

 
22
maio
Rádio 105,7 Atlanta entrevista o Paramore

radio msn

A divulgação do álbum está em pleno andamento! A banda foi entrevistada pela estação: Rádio 105,7 Atlanta. Além disso, Lindsay Byrnes passou o dia com Paramore e fotografou a banda em várias situações, confira as fotos abaixo.

20130517-paramore-53-x595-1368821037

Paramore sempre quis gravar a segunda parte de uma música, de acordo com eles, é uma boa oportunidade de atualizar o tópico.

Interview with Paramore at Radio 105.7 Atlanta

A vantagem de gravar o álbum como um trio, foi o fato de que os membros possam ouvir uns aos outros e todos podem trazer algo de volta para a canção. “Still Into You” foi escrita durante o bloqueio de Taylor, a música é o resultado de frustração, Taylor sentiu como que se nunca tivesse tocado guitarra, compôs um riff em um computador e depois transferidos para a guitarra.

 
21
maio
Jeremy fala sobre como foi parar na cadeia em entrevista.

Paramore

Durante uma entrevista para a rádio Kiss, na qual Taylor York não estava presente para poder se recuperar, Jeremy Davis admitiu que já foi preso uma vez por dirigir muito acima do limite de velocidade.

“Exatamente quão rápido vocês dirigem seus carros?” A entrevistadora perguntou, fazendo uma referência a música de abertura do álbum, Fast In My Car.

Hayley foi a primeira a dizer que Jeremy dirigia muito rápido, e Jeremy concordou, afirmando que no ensino médio ele costumava apostar corridas com seus amigos (lembrando que no estado do Tennessee, você pode ter uma permissão para dirigir legalmente aos quinze anos).

“E você nunca se meteu em confusão por isso?”

“Sim, claro.” Jeremy riu e ainda disse que o nível de confusões em que ele se meteu por causa disso foi ao ponto de fazê-lo passar 2 dias na prisão.

 
17
maio
Hayley Williams diz a música que mais reflete sua personalidade em entrevista.

HW

Em uma entrevista publicada nessa terça-feira no site americano Shopbop, Hayley Williams falou sobre o novo álbum, sua mudança de estilo através dos anos, sua coleção da M.A.C. e sobre a música que mais reflete sua personalidade! Confira a entrevista completa e traduzida:

FK: Você tem se apresentado com o Paramore por quase dez anos. como o seu estilo pessoal mudou desde o seu último álbum, Brand New Eyes, até agora?

HAYLEY: Brand New Eyes foi um tempo muito pesado pra mim como pessoa. Eu normalmente usava uma camiseta e uma calça jeans, e meu estilo acima de tudo não refletia muito bem uma pessoa que estava tentando coisas novas e experimentando com sua própria auto-expressão. Onde eu estou agora é longe de onde eu estava naqueles tempos. Na maior parte, eu ainda sou uma garota que usa jeans e camiseta, mas eu me sinto mais colorida, me sinto mais corajosa, e eu gosto de mim mesma um pouco mais do que eu gostava antes. Mesmo que eu esteja completamente fora de moda (e, normalmente, eu estou!), eu prefiro ser honesta comigo mesma que com qualquer outra pessoa.

FK: Como o seu estilo musical mudou desde então?

HAYLEY: Desde que Taylor [York, o novo guitarrista do Paramore] começou a escrever música para a nossa banda, eu me encontrei em um lugar mais livre como compositora. Os rítimos e tons dele são incrívelmente inspiradores para mim. Minha melodias são mais divertidas de cantar, e as letras que escrevo refletem mais a minha personalidade do que nunca. Pra botar isso de uma maneira simples, eu realmente penso que é mais divertido. Esse é o melhor jeito que consigo descrever isso.

FK: Seu cabelo está quase um vermelho neon. Ter uma cor de cabelo vibrante te impede de escolher certas cores de roupas?

HAYLEY:Não. Deveria?

FK: Não! E falando de cores  vibrantes, me conta sobre a sua nova linha de cosméticos M.A.C.!

HAYLEY: Eu ainda estou chocada com a coisa toda. Honestamente, é tão legal ter essa coleção lá fora. O processo todo foi animador e me fez pensar sobre maquiagem de uma forma toda diferente – como completamente auto-expressão. A melhor parte é ver todas as fotos de fãs e de pessoas que compraram os produtos. Eu sei que laranja parece uma cor meio enrolada pra usar, mas o batom “Sounds Like Noise” fica maravilhoso em qualquer um.

FK: Qual música descreve melhor o seu estilo pessoal?

HAYLEY: Da nossa banda? Provavelmente “Be Alone”. Pode soar difícil de acreditar, mas quando não estamos viajando pelo mundo tocando em grandes shows de rock, eu sou só uma nerd que gosta do seu tempo sozinha em casa com uma caneca de chá e episódios de Dexter na tevê. Se eu tivesse que escolher outra, seria “Anklebiters”, que é uma música sobre amor próprio e auto-aceitação. Todos nós precisamos de uma lição de vez em quando.

FK: Qual game show você venceria e por quê?

HAYLEY: Eu sempre, sempre quis ganhar o programa da Nickelodeon GUTS. Eu fui criada nos anos noventa, o que você esperava?! Me dá um pedaço desse Agrocrag!

 

Fonte.
Traduzido e adaptado por Mavi.

 
13
maio
Hayley Williams revela seus discos favoritos a Revista MOJO

Mojo

Hayley Williams, vocalista do Paramore, foi uma das artistas convidadas este mês pela revista britânica Mojo para falar sobre os discos que mais curte. Justin Timberlake, Ramones, Yeah Yeah Yeahs e Björk foram alguns dos nomes citados.

Perguntada sobre que discos ou artistas que ela estava curtindo no momento, Hayley citou o EP “Cough Cough”, do Everything Everything, além de Miguel, Justin Timberlake e mais o novo disco dos punks dinamarqueses do Iceage (“You’re Nothing”).

A cantora aproveitou para fazer um agrado ao seu namorado, Chad Gilbert, do New Found Glory, ao dizer que também está ouvindo uma compilação caseira com as músicas do seu projeto paralelo, chamado What’s Eating Gilbert.

Para apontar seu disco favorito, a cantora precisou pensar um pouco e citou “Vespertine”, de Björk, o álbum de estreia dos Yeah Yeah Yeahs, “Fever To Tell” – que lhe traz setimentos nostálgicos – e, finalmente, a coletânea dos Ramones, “Ramonesmania”.

O primeiro disco comprado pela cantora foi “Middle Of Nowhere”, do Hanson, aos nove anos de idade em 1997, e a versão que Marie Adams gravou com Johnny Otis de “Ma, He’s Making Eyes At Me”, em 1957, fez com que ela quisesse reaprender a cantar.

No chuveiro, Hayley falou que adora cantar “(You Make Me Feel Like) A Natural Woman”, que ficou famosa na voz de Aretha Franklin (ao lado). Ela diz estar ciente de que jamais terá uma voz como a da rainha da soul music, mas que, no banheiro, chega quase lá. Brincando, Williams disse não saber se tem a ver com a acústica do local ou se é o vapor, que entra em sua cabeça e a faz imaginar coisas.

Para o sábado à noite, a cantora diz não conhecer nada melhor que o álbum “From The Attic”, da banda de hard rock Damone. Ela conta que os adorava aos 15 anos e que voltou a ouvi-los recentemente.

Williams confessou que Noelle LeBlanc, a vocalista da banda, foi quem mais a inspirou a fazer parte de um grupo.

Finalmente, aos domingos de manhã, a artista novamente lembrou do seu namorado, ao dizer que gosta de ouvir os discos do New Found Glory e também “qualquer coisa relacionada a Johnny Cash”.

Por Vagalume

 
10
maio
Review do show em Chicago por jornal “Chicago Tribune”

parma

O jornal americano “Chicago Tribune” publicou hoje uma review do show em Chicago ocorrido ontem, 9 de maio. Todos já sabemos que a cidade tem história com a banda por ser a terra onde foi gravado o DVD da banda, The Final Riot!, mas após anos sem visitar o lugar, Paramore deixou (mais uma vez) uma ótima impressão em todos os que foram no show, inclusive um repórter que foi enviado para fazer uma matéria sobre o show.

” “Nós tivemos nossos altos e baixos. Talvez você saiba disso, talvez não.” Hayley disse, antes de Ignorance. Isso foi a única referência dela ao polêmico rompimento, e no palco a nova formação do Paramore funcionou a seu favor: sua química e entusiasmo foram palpáveis. “

O jornalista também afirmou:

“Não importando a mudança de membros, o membro-chave da banda continua a ser Hayley Williams, que mostrou uma grande variedade vocal, desde vulnerável e sincero (“The Only Exception”), para abrasador (“Now”), para o corajoso hino pop (“That’s What You Get”), o gótico (“Decode”) e uma introdução a capella para “Renegade”. “

chicago

O set do show também incluiu músicas novas, como “Anklebiters”, “Proof”, e “Ain’t It Fun”, que de acordo com o jornalista aparentou ter sido “forçada” na setlist, mesmo sendo uma das preferidas da plateia. Obviamente, a banda não esqueceu de incluir músicas de seus dois primeiros álbuns, como “Whoa” e o clássico “Misery Business”.

Notem também que nossa ruiva (que agora está com metade do cabelo laranja), abandonou a maquiagem com a fita preta borrada nos olhos e também está deixando a franja crescer. Hallelujah, Hayley!

Traduzido e adaptado por Mavi.
Fonte